sexta-feira, 16 de junho de 2017

O empreendedor corporativo



Será que todos necessitam abrir seu próprio negócio ou podem ser felizes no próprio trabalho?

Acredito fielmente que nem todos devem abrir seu próprio negócio, por vários motivos, e é isso o que vamos discutir nesse artigo.

Para tocar um negócio próprio precisamos ter muita dedicação de tempo, de recursos financeiros, de uma boa dose de visão estratégica do negócio e de relacionamento com os players do ambiente profissional em que está empreendendo. Posso ser um ótimo profissional técnico e eficiente no que faço, no entanto, não querer arriscar em um novo negócio, ou ainda querer aguardar um melhor momento para abrir seu negócio. A questão é, devo ficar na empresa e fazer meu trabalho de uma maneira mais simplista, fazendo somente o básico; ou devo ter um comportamento mais diferenciado e e agir em algumas situações como se esse fosse meu próprio negócio?

Fico com a segunda opção; Ao trabalhar de uma maneira muito ambiciosa querendo obter os melhores resultados, esta pessoa estará testando suas ideias de gestão e se um dia abrir seu próprio negócio ela não terá grandes dificuldades de aplicar o que já utilizava no seu dia a dia.

Geralmente o empreendedor corporativo tem facilidade de trabalhar em equipe, de motivar seus colegas de trabalho, se destaca pelo otimismo mesmo nas situações mais críticas, tem uma visão aguçada para problemas difíceis, consegue ouvir a equipe em que está inserido e também pensa nos vários departamentos da empresa.

Em algumas situações o intra-empreendedor (empreendedor corporativo) surge quando uma crise se agrava na empresa e é necessário uma liderança entre os colegas. Não estou falando do chefe necessariamente, mas de um líder, aquele que guiará o time para passar esse momento crítico, que pode ser da economia ou do ambiente de trabalho que não está indo bem.


Nas minhas aulas menciono que considero uma empresa como se fosse um prédio, que a empresa não fez nada de bom ou de errado para o cliente, que quem faz o correto ou surpreende o cliente é o profissional que está em contato com o produto ou serviço, que são os colaboradores que fazem acontecer e tornam a empresa um local para se trabalhar de forma agradável ou difícil. Quando pensamos em focar na pessoa, teremos a pessoa-cliente, a pessoa-colaborador, assim como outras pessoas no ecossistema da empresa e que todos estão interligados.

O empreendedor corporativo consegue ver de uma maneira mais eficiente toda essa ligação entre as pessoas e sugerir um melhor atendimento ou uma dica ao colega de trabalho de maneira que o ambiente fica melhor para se trabalhar.

Difícil? Talvez um pouco, mas não impossível.

Termino o artigo dando algumas dicas que podem ajudar a se tornar um empreendedor corporativo:
Participe de palestras.

Visite feiras

Leia mais sobre seu negócio, seu setor, seu departamento, o site da endeavor é uma ótima dica.

Seja otimista.

Leia mais livros.

Curta sua família.

Se preocupe com seu lado espiritual.

Converse menos e ouça mais.

Seja proativo quando solicitarem um voluntário no seu setor para um serviço, até mesmo que seja em outra área.

Siga nas redes sociais pessoas relacionadas a negócios, como por exemplo: Flavio Augusto, Bel Pesce, Marcos Hashimoto e muitos outros.

Já tive situações que pensei estar sendo atendido pelo dono da loja, pela forma prestativa da vendedora se portava, isso certamente é uma característica muito boa dessa profissional. Por exemplo minha irmã é coordenadora de uma grande escola de idiomas, e já houve situações onde os pais dos alunos perguntaram se ela era sócia da empresa, pela maneira que ela se portava e se preocupava com os detalhes. Eles ficaram surpresos quando ela respondeu que não era sócia, mas que estava lá para fazer seu melhor.

Será que nós podemos fazer melhor, atender melhor, ensinar melhor?

Fiquem com Deus e vamos nessa, sermos melhores!
Até o próximo artigo.

Nivaldo J Silva, Mestre em Engenharia de Produção pela UNIMEP, Professor Titular de Planejamento Estratégico e Empreendedorismo na UNISAL, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste, diretor do ecommerce CirurgicaSantaBarbara.com.br
Blog: NJSconsultoria.blogspot.com.br.


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Uma visita na China

China


Tive a oportunidade de visitar Xangai pela terceira vez recentemente, e vou relatar nesse artigo alguns pontos que me chamaram a atenção nessa última viagem.





Sempre que chegamos de uma longa viagem ficamos exaustos e leva alguns dias para se recuperar do fuso horário e do cansaço da viagem, principalmente quando se viaja em classe econômica. Foram 14,5 horas em um trecho, mais 9,5 horas no trecho final, se contarmos desde a hora que saímos do hotel e chegamos em casa, foram 36 horas.

Visitamos alguns parceiros e foi possível ver a cordialidade deles em relação aos brasileiros. Não encontramos nenhum que falasse português, mas inglês quase todos que pretendem trabalhar com o comercio internacional falam fluente o que facilita muito.

Uma fábrica de médio porte possuía 3 robôs automatizados trabalhando no processo produtivo, o que é um bom diferencial, pois não conheço empresas de médio porte do ramo metalúrgico que utilizasse dessa tecnologia, isso tudo para aumentar a produtividade e se manter competitivo no mercado.

Utilizamos por várias vezes o transporte público, o que facilita bastante e ajuda com custo mais baixo. O metro por exemplo,  sai direto do aeroporto internacional e vai ate o centro da cidade e de toda malha de trem, é claro que um país com mais de 1,3 bilhões de habitantes não teria sua principal cidade sem muito movimento nos horários de pico, quase impossível andar no metro nesse horário. Em vários outros horários o movimento era bem intenso.
video


Outra opção é utilizar o trem Maglev que percorre 33km em 6 minutos, chegando até 431 km/h.
É a primeira linha de trem de alta velocidade Magleve comercial do mundo. (W)



Em 2008 eu já utilizei o Maglev, dessa vez estava chovendo e ele foi apenas à 300km/h


A limpeza também foi um destaque, toda a cidade muito limpa nas vias públicas, os banheiros também muito limpos. A segurança foi um ponto forte, pois em todos os dias nos sentimos seguros, diferente de outras cidades, é claro que roubos e outros crimes existem, mas em uma semana não vimos nada.

A poluição é algo forte na cidade que por vários dias parecia estar nublado ou com neblina de tão intensa a poluição dos automóveis e das empresas, o que fazia com que muitos usassem mascaras para andarem nas ruas.



Bem ao lado do centro de exposição da feira havia um dos muitos shoppings de Xangai e encontramos uma loja da TESLA, o carro que está revolucionando o mercado automobilístico, principalmente por conta de nas últimas semanas ter se tornado a montadora mais valiosa dos Estados Unidos superando GM e Ford. Visitamos os dois modelos de carros que fabricam, totalmente elétricos e com autonomia de andar mais de 500km com as baterias cheias. Perguntei sobre postos de recarga e me mostraram um mapa da China com muitos pontos. Fiz a mesma pesquisa sobre os postos de recarga no Brasil e ainda não tem nenhum. Reforçaram que estão investindo muito nos carros elétricos para reduzirem a poluição.



Outro negócio muito interessante foi o das bicicletas, em várias esquinas existem muitas de uns 3 modelos diferentes, onde qualquer um através de um aplicativo pode alugar a bicicleta e sair pedalando até o seu destino e deixa ali na esquina mesmo em um bicicletário. Um sistema de compartilhamento muito lucrativo para a Mobike e a OFO que apostam em uma receita de até 5,8 bilhões de dólares até 2020. Fonte: (http://www.mundobici.com.br/os-negocios-milionarios-do-bike-sharing-chines/)


Para as empresas que ainda não importam matéria prima, é sempre uma boa opção pensar em visitar a China, pois a quantidade de empresas estrangeiras presentes nas feiras é algo surpreendente, e a experiencia internacional é valiosa.



Logo que cheguei fui almoçar algo muito bom do nosso país, arroz, feijão e bife, realmente parecia ter outro sabor essa comida simples e saborosa.

Fiquem com Deus e até o próximo artigo.

Nivaldo J Silva



quarta-feira, 19 de abril de 2017

É hora de sair da zona de conforto 


O empreendedor não pode ficar na zona de conforto.

Acredita-se que nos momentos de crise é que surgem as boas ideias, pois como a situação se torna crítica, é necessário pensar em várias alternativas, até mesmo aquelas que antes eram descartadas, as mais simples, as impossíveis, talvez agora elas funcionem. 

Várias pessoas empreendem por necessidade, isto é, quando empreendemos somente ao não ter mais um emprego, e quando as contas chegam para pagar, necessitamos criar algum negócio, não tem nada de errado nisso, somente geralmente não se tem tempo de planejar, acontece muito pelo acaso, com isso aumenta o risco do negócio ser um sucesso e ir adiante. 

O ideal nessa situação é buscar orientação do SEBRAE, e de outras tantas organizações que podem auxiliar de maneira direta ou indireta: De maneira direta o SEBRAE, orienta a participação de cursos de capacitação de determinadas áreas que são identificadas como de baixa performance em quem pretende abrir seu negócio. 

A Endeavor.org.br orienta através de vídeos e material que auxilia diretamente, o que pode ajudar com dicas de outros empreendedores que venceram os desafios. 

Já indiretamente eu gosto muito da participação em palestras, por exemplo o grupo do NJE – Núcleo de Jovens Empreendedores, eles realizam reuniões mensais discutindo a capacitação do empreendedor dentre outros temas, ao participar, é possível ampliar o network, o que realmente é importante para todos os negócios. certamente não ajudará seu negócio imediatamente, mas trocando cartões com outros empreendedores será possível ampliar sua rede de contatos. 

A hora chegou para quem está atento as oportunidades, é claro que sempre é necessário um investimento, seja de recursos financeiros ou de tempo para um negócio ser bem-sucedido. Vem aumentando o número de pessoas querendo empreender, é uma fase em todo o mundo e o Brasil está nessa onda também, o que é muito bom. 

Caso você tenha pensado em abrir um negócio, em investir na sua ideia, o momento é oportuno, é um bom momento para negociar um aluguel, mão de obra tem sobrando no mercado, minha sugestão é buscar conhecimento, estudar bastante sobre o negócio, rascunhar um plano de negócios, elaborar um Canvas, buscar mentores que possam ajudar e ir adiante com a ideia. 

Se seguir essas últimas dicas, será enquadrado na classificação de empreendedor por oportunidades, onde a taxa de sucesso é bem maior, pois, houve um estudo do mercado, das ideias, pesquisou a localização do negócio, validou a ideia e muito mais. Acredite, o momento é agora, não fique na zona de conforto. 

Fiquem com Deus.
Nivaldo J Silva, diretor do CIESP de Santa Bárbara d´Oeste.



quinta-feira, 9 de março de 2017

O hoje chegou para os empreendedores.


“Um dia quando tiver tempo, vou fazer aquilo de que gosto.” “Assim que tiver melhores condições, vou me dedicar ao meu sonho.” “O meu plano, quando me aposentar, é finalmente fazer aquilo que me dá prazer.”  Mario Sergio Cortella no novo livro Por que fazemos o que fazemos?
Será que esse é o ano daquele seu plano? o curso que estava precisando. A caminhada que o médico recomentou. O negócio que pretende abrir.

Os empreendedores de plantão estão sempre atentos as oportunidades, planejando o futuro com o olho no hoje sem deixar de avaliar as questões do passado, mas com foco  no futuro. Futuro a curto prazo que é exatamente o que realizará nessa semana, médio prazo – nesse mês, nesse semestre... e longo prazo – nesse ano, no próximo.

O que vamos esperar para nos mover? A ideia é não ficar reclamando pelos cantos, mas encontrar uma saída para a retomada, novas ideias, pensar fora da caixa. Faça uma consulta no Google e terá cerca de 750.000 sites relacionados a esse tema de pensar fora da caixa. Será que algum não tem alguma dica para a sua dificuldade profissional ou para a sua ideia de negócio?

Para um bom planejamento o ano está iniciando, temos todos os dias disponíveis para a realização. É como se assinássemos um contrato de aluguel por um ano, ele pode começar em janeiro e terminar em janeiro do ano seguinte, assim como o contrato pode iniciar em abril e terminar depois de 12 meses. Pense nisso, abra o seu planejamento de 12 meses iniciando na data de hoje.

Os exercícios mostram que se anotar as suas ideias e o planejamento, a chance de se realizar é maior do que somente deixar na sua mente as ideias. Escreva no papel dividindo em curto, médio e longo prazo.
Veja o que consegue escrever. Seja cursos, visitar possíveis clientes, desenvolver parceiros estratégicos, participar de feiras e eventos, ler algum livro específico, assistir vídeos relacionados ao seu negócio.

O hoje está disponível para todos, vamos aproveitar o máximo, uma vez que ele vai passar depois das próximas 24 horas.

Iremos colher os frutos no futuro, mas somente se plantarmos hoje. Estabeleça uma meta de se mover, não deixe a reclamação tomar conta das suas ideias. Somente ao ter a mente livre e solta é que surgirá ideias inspiradoras. Nem sempre é possível chegar lá sozinho, se você possui uma equipe de trabalho, motive todos, reúna eles para um debate, ouça suas ideias, escreva todos os pontos dividindo em curto, médio e longo prazo.

Tendo uma equipe comprometida a chance de sucesso é maior. Comece sendo você a pessoa mais  comprometida.

Fica a dica e bom planejamento.
Fiquem com Deus.
Nivaldo J Silva


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

A importância da leitura para os empreendedores.


Eu tenho o costume de listar todos os livros que li durante o ano. No ano de 2016, por exemplo, foram exatamente 23 livros. Quando pergunto aos alunos se já leram algum livro naquele ano, alguns respondem que não. Muitas vezes isso se dá por falta de motivação para iniciar a leitura.
Em uma visita a uma livraria muito grande na cidade de São Paulo eu vi, e comprei, um livro que estava exposto, “A História da Heineken”, uma leitura muito boa para quem gosta da cerveja Heineken e também para quem quer conhecer os meandros dos negócios dessa cervejaria que se tornou líder mundial. Um detalhe que me chamou a atenção durante a leitura é que no livro são compartilhados detalhes das campanhas publicitária, de maneira que é uma leitura excelente aos alunos e empreendedores direcionados ao marketing e publicidade.

Outro livro que me chamou a atenção foi “A Loja de Tudo – Amazon”, neste é detalhada a trajetória do empreendedor Jeff Bezos, fundador da maior loja eCommerce do mundo, e relata passo a passo a evolução da startup até o sucesso que é hoje. Para quem pretende investir em tecnologia, eCommerce, é uma leitura fundamental.

Veja que é possível ler temas específicos de maneira que nossa cultura se expande, fatos que não conhecíamos. No primeiro livro mencionado aprendi que Heineken é o sobrenome da família fundadora, que essa família é da Alemanha, e foi quando eles foram para Amsterdam, na Holanda, é que iniciaram o sonho da cervejaria.

Como sugestão eu indico a leitura de diferentes temas. Leia um livro técnico relacionado ao seu trabalho, um para relaxar, podendo ser algo relacionado que goste, um hobby, sobre artes, música, etc. E claro não deixe de ler um sobre a trajetória de alguém de sucesso.  Como foi o caso da minha leitura “Abilio: A Trajetória de Abilio Diniz, o Empresário Brasileiro Mais Importante do Varejo Global da Cristiane Correa", ótima leitura principalmente para quem trabalha no comércio, especialmente se seu ramo for de supermercado pois conta toda a trajetória do Pão de Açúcar.

Para quem pretende empreender, ou abrir a mente, a sugestão de leitura para 2017 é o livro “Geração de Valor 3” do Flávio Augusto, um empreendedor em série, arrojado e um ótimo mentor. Através do site e das mídias sociais ele motiva as pessoas a se superarem e se surpreenderem, mesmo quando surge uma dificuldade é possível encontrar uma saída, é questão de pensar fora da caixa.

Já diziam nossos professores, a leitura abre a mente, faz o leitor viajar na linguagem e no mundo da história narrada no livro. Ou Mario Quintana:

O verdadeiro analfabeto é aquele que sabe ler, mas não lê.

Vou expor no meu blog os 23 livros lidos no ano passado, procurando detalhar alguns deles, incluindo uma foto de cada para ilustração. Já para 2017 fica a meta de superar o ano anterior, então fica a meta de 25 livros para ler.

Li esse livro pela primeira vez, acredito que há uns 20 anos, ou mais.





para esse livro do Flávio Augusto até gravei um vídeo.


















Outros vídeos dando uma dica de leitura.





Desejo boa leitura a todos e que Deus nos proteja.